Resenha: A Rede Urbana (1989)*

Leitura imprescindível para Geografos e urbanistas, Roberto Lobato Corrêa em seu livro A rede urbana procura mostrar o que foi a produção geográfica sobre redes urbanas, as abordagens que mais evidenciam suas naturezas e significados além de trazer contribuições de nível teórico e prático a esses estudos. Como abordagens, Corrêa destaca-nos uma espécie de classificação dos conceitos de redes urbanas utilizados por pesquisadores diversos:

→ Classificações funcionais: nesta, pretende-se mostrar a existência de diferenças entre as cidades no que se referem as suas funções, colaborando assim para a compreensão da organização espacial. Critica-se nesta abordagem a natureza dos dados utilizados, assim como a falta de objetivos geográficos definidos em seus estudos.

→ As dimensões básicas de variação: uso de técnicas descritivas tratando um grande número de variáveis originando fatores ou dimensões básicas de variação. Desta abordagem é criticado o fato de que grande número de variáveis é determinado sem nenhuma base teórica explícita ou escolhido a partir da visão de mundo do pesquisador.

→ Tamanho e desenvolvimento: considera a rede urbana como um todo e estabelece uma relação entre o tamanho das cidades de uma rede urbana e certos aspectos da vida econômica e social.

→ A hierarquia urbana: é a abordagem mais discutida, seus estudos procuram compreender a natureza da rede urbana segundo a hierarquia de seus centros.

→ As relações cidade-região: abordagem empregada principalmente por geógrafos europeus, trata da relação cidade-campo sob uma perspectiva geográfica considerando as relações entre uma grande cidade e sua hintelândia constituída por centros urbanos menores e área rurais.

Porém Corrêa adverte que as abordagens citadas anteriormente se mostram insuficientes e incapazes de darem conta da realidade social, isso se explica por elas serem, na maioria das vezes, de natureza positivista, procurando uma neutralidade científica e colocando a História de lado. Sabendo disso, Corrêa procura a partir da análise da contribuição de estudiosos, contribuir para identificar a natureza e o significado da rede urbana. Isso ele faz mostrando o objeto ‘rede urbana’ sendo apreciado sob diferentes pontos de vista.

O primeiro ‘lado do prisma’ aponta a rede urbana como um reflexo da divisão internacional do trabalho (D.I.T.) e condição para sua existência. Apresenta-se como reflexo na medida em que por meio das vantagens locacionais diferenciadas verifica-se uma hierarquia urbana e uma especialização funcional que define determinado centro urbano. Um segundo modo de interpretar a rede urbana pode ser apreciado se considerado como a ‘cristalização do processo de realização do ciclo do capital’ visto simultaneamente como a forma sócio–espacial de realização do ciclo de exploração da grande cidade sobre o campo e centros menores. Corrêa mostra também uma terceira maneira de enxergar o conceito ‘rede urbana’ a partir da teoria de Milton Santos. Afirma que estrutura, processo, função e forma são categorias de análise social e devem ser consideradas nos estudos de rede urbana. E, nestes, devem ser considerados também as formas existentes no passado, assumindo assim, à forma e ao processo, relações que podem ser complexas ou simples. Por fim, concluindo a apresentação dos olhares às redes urbanas, Corrêa mostra que é possível periodizar as formas espaciais.

Localização de Mamborê/PR. Mapa organizado por: TOWS, R. L., 2010.

Corrêa finaliza seu estudo apontando que entende por rede urbana “o conjunto funcionalmente articulado de centros que se forma na estrutura territorial onde se verifica a criação, apropriação e circulação do valor excedente”. Ao fim da obra, CORRÊA assume que dada a complexidade do assunto torna-se difícil admitir apenas um método. Com essa análise final, Corrêa demonstra grande humildade, pois reconhece que seu trabalho como uma contribuição passível de ser comprovada somente a partir da sua materialização por meio da prática. Enfim, o que se pode afirmar sobre esta obra é que além de ser rica fonte teórica para estudos referentes á rede urbana, ela deixa discussões em aberto, promovendo o debate e gerando promissoras possibilidades de como gerenciar o espaço urbano dentro de novos contextos.

* REFERÊNCIA: CORRÊA, Roberto Lobato. A Rede Urbana. São Paulo: Editora Ática, 1989.

Você já leu esse livro também? O que você acredita que faltou nessa obra? Que contribuição ele te trouxe? Arrisca novas hipóteses de conceituação do que seriam as “redes urbanas”?  Dê a sua opinião.

RECOMENDAÇÃO: Resumo do livro “O espaço Urbano”  feito pelo pessoal do blog Palmas em foco- UTFPR.

LEIA TAMBÉM

Como Surgiram as primeiras cidades? 

“Leituras urbanas” sugestão de livros eletrônicos gratuitos disponibilizados pela FFLCH Edições.

Como surgiram os primeiros parques urbanos?

Acompanhe também nossa página de Geografia.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s