#resumo: O Cativeiro da Terra

Plantação de Milho. Mamborê

Esta obra, escrita pelo sociólogo José de Souza Martins, trabalha a questão do processo de transição do trabalho escravo para o trabalho livre. O propósito do autor, com isso, é desvendar o ritmo das formas de disseminação do capitalismo no Brasil, refutando a afirmação que a crise do trabalho escravo resultou na utilização do trabalho assalariado. Como este livro está dividido em duas partes, que representam uma continuidade e consequência, o dividimos em tópicos.

Discussão teórica: como o Colonato aconteceu no Brasil?

MARTINS (1986) inicia destacando que muitos pesquisadores em ciências sociais afirmam que com a crise do trabalho escravo, a servidão negra foi substituída pelo trabalho assalariado. Ele cita dois autores como exemplo, Prado Junior e Forestan Fernandes. Segundo MARTINS (1986) os referidos autores têm grande dificuldade em definir as relações capitalistas existentes nesse processo, e para isso propõe a interpretação de que não foi a crise no trabalho escravo que resultou na utilização do trabalho assalariado. Nesse sentido, o capitalismo, em sua expansão acaba por redefinir as relações sociais e desenvolve relações não capitalistas e, ao mesmo tempo, propulsoras da manutenção da reprodução do capital.

Traduzindo….Martins afirma, que a passagem da substituição do trabalho escravo pelo trabalho livre não foi um processo fácil e rápido. O trabalhador entrou no processo produtivo como renda capitalizada, pois o fazendeiro tinha que pagar o transporte, alimentação e instalação do colono e sua família. Chegou um momento em que os colonos tomaram conhecimento de que estavam sendo explorados e se revoltaram. Como resultado dessa revolta, os cafeicultores modificaram os critérios de absorção do trabalho dos colonos. Resultando destas, surgiram diversas modalidades de relacionamento entre colonos e fazendeiros, mantendo-se a exploração do colono, porém de maneira mais discreta.

 As mudanças na mentalidade da sociedade burguesa brasileira e industrialização de São Paulo

Plantação de arroz no Oeste paranaense. Foto: SANTOS,Manoel, 2009.

Na segunda parte de seu trabalho, Martins aborda a “A Influência do Café na Industrialização e na Formação da Classe Operária em São Paulo”. Em 1929, como todos sabemos, o preço do café foi no fundo do poço e sacas e sacas de café foram queimadas. O governo tentou aliviar a crise financiando a colheita de café e depois destruindo o produto.

Martins, mencionando estudos apresentados por Fernando Henrique Cardoso,observou que a mudança de uma economia baseada na agricultura com trabalho escravo para uma economia industrial, só foi possível graças ao tempo e as mudanças da conscientização da classe burguesa industrial brasileira.

O desenvolvimento da indústria de São Paulo no período de 1870 a 1905, se deu aos poucos, com os fazendeiros se dedicando a vários negócios como comércio, bancos, ferrovias, indústrias, comércio imobiliário, entre outros. Martins então começa a abordar o que ele chama de morte do burguês mítico, demonstrando os três mecanismos ideológicos de sustentação da dominação de classe:

  •  A proletarização das aspirações burguesas: A idéia do trabalho livre era principalmente ideológica, ou seja, o trabalhador continuaria sendo explorado, porém, acreditando estar livre.
  • O aburguesamento das aspirações operárias: Partindo do princípio de que o trabalhador e a privação enriqueciam o trabalhador, vários imigrantes vieram tentar a sorte no Brasil.
  • A vida do burguês e a morte do mito: Segundo Martins, desde a década de 1940, o trabalhador operário “se tocou que tudo era blá,blá,blá”. O tal do enriquecimento através do próprio trabalho só existia para beneficiar a burguesia dominante.

Considerações finais

A obra…..As afirmações de Martins, de cunho marxista, enfocaram, especialmente, as contradições sociais existentes no decorrer da história do Brasil. O grande problema de sua obra, no entanto, foi a de estar aprisionada a realidade da região sudeste do Brasil, ocultando, de certa forma , as distintas “excepcionalidades regionais” encontradas em nosso País.

A realidade….As discussões apresentadas por Martins (1986) mantem-se vivas em nosso cotidiano. Prova disso, é o fato da resistência do colono que , renomeado como pequeno proprietário de terra, segue produzindo alimentos de baixo custo, de alto consumo e voltado para o mercado interno.

LEIA TAMBÉM

Como Surgiram as primeiras cidades? 

“Leituras urbanas” sugestão de livros eletrônicos gratuitos disponibilizados pela FFLCH Edições.

Como surgiram os primeiros parques urbanos?

Acompanhe também nossa página de Geografia

REFERÊNCIAS

MARTINS, José de Souza.O Cativeiro da Terra. 3. ed. São Paulo: Ciências Humanas, 1986.

Adquira a obra, prestigie o autor: Editora Contexto (com informações adicionais)

Um comentário sobre “#resumo: O Cativeiro da Terra

  1. Pingback: amigosgeografosanonimos

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s