Análise morfológica: Horizontes e perfil do solo

Como se trata de um relatório de aula de campo, recorremos a alguns autores tais como Igo F. Lepsch e Antonio Soares da Silva. Na aula de campo e em sala, buscamos realizar uma análise morfológica do solo tomando por base dois horizontes: o Horizonte A e o Horizonte B. A análise dos mesmos foi obtida a partir da escavação de uma trincheira nas dependências da Estação Climatológica principal de Campo Mourão. (Fig. 1).

Fig. 1- Localização da Estação climatológica principal de Campo Mourão. Fonte: Google Earth, 2010.

Mas, o que vem a ser os conceitos Horizonte e Morfologia? E,  qual a importância disso? A resposta para esta pergunta recorremos a Silva (2005). Segundo Silva, o procedimento da análise morfológica do solo pode auxiliar na compreensão do comportamento e funcionamento do solo, ajudando a responder questões sobre erosão, e fertilidade do solo, por exemplo.

Agora referente a primeira pergunta cabe a nós tomarmos emprestado a definição de LEPSCH (2002) no que se refere aos horizontes. Segundo ele, em decorrência da ação de um conjunto de fenômenos biológicos, físicos e químicos, o solo começa a formar-se, organizando – se em uma série de “camadas” sobrepostas de aspecto e constituição diferentes. Essas camadas são aproximadamente paralelas à superfície e, são o que denominamos horizontes. E, o conjunto de horizontes, num corte vertical que vai da superfície até o material semelhante ao que deu origem ao sol, é o perfil do solo. Essas diferentes camadas podem ser vistas claramente em locais expostos, onde o solo mostra os seus perfis, tais como cortes de estrada, trincheiras e outras escavações.

O perfil de um solo completo e bem desenvolvido possui basicamente quatro tipos de horizontes, que costumam ser chamados de “horizontes principais” e são convencionalmente identificados pelas letras O, A, E, B, e C.

Bom, esclarecida a questão referente a horizontes e perfil de solo, é interessante que entendamos como a análise do perfil do solo permite-nos a análise de sua morfologia (estudo da aparência do solo no meio ambiente natural e sua descrição).

VEJA TAMBÉM: Todos os textos relacionados a este post.

REFERÊNCIA

LEPSCH, Igo F. Formação e Conservação dos Solos.  São Paulo: Oficina de Textos, 2002.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s