O processo de Renovação da Geografia

Seguindo a série de post’s relacionados à temática acerca dos conceitos geográficos no decurso histórico geográfico, esta postagem tem o objetivo de destacar como estes conceitos se mantiveram frente ao processo de renovação da ciência geográfica.

Os geógrafos da Nova Geografia atribuíram à região a conceituação de ser originária a partir de questões de classificação ou “taxonomia espacial” (Corrêa, 1997, p. 50). Segundo Carvalho (2002, p.6), como fruto da influência Neopositivista, a análise regional desta corrente é isenta da historicidade, visto que a mesma provém da crítica ao Historicismo da Geografia Tradicional, em especial dos conceitos de La Blache.

Geografia pragmáticaAssim sendo o reducionismo naturalista é dominante, e, têm na metodologia do uso de dados estatísticos seus principais recursos. Talvez isso explique suas outras denominações: Teorética, Quantitativa e Pragmática.

Esse paradigma epistemológico vê a região reservada com um caráter de classificação, agrupamento, subsidiada por técnicas estatísticas sofisticadas, e por uma linguagem mais burocrática e rica. Aliada a esta maneira de ser ela é amparada por grandes teorias e dados estatísticos, tendo por consequência, o afastamento do trabalho de campo. Por esse motivo muitos autores afirmam que a Nova Geografia representou apenas uma nova maneira de manter a ideologia burguesa dominante até então.

De acordo com Corrêa (2003), a Nova Geografia definiu região como um conjunto de lugares onde as diferenças internas são menores que a existente entre eles e  outros lugares. Originada sobre as bases teóricas do positivismo lógico a nova geografia utilizou de técnicas estatísticas para regionalizar as porções da superfície. Nesse rumo, as similaridades e as diferenças entre as áreas foram realizadas a partir da  utilização de  um conjunto técnico-estatístico  que permitisse mensurar os lugares e definir uma divisão regional. Foi uma espécie de “Geografia Estatística”.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
 CARVALHO,  Gisélia Lima. Região: A evolução de uma categoria de análise  da GeografiaBoletim Goiano de Geografia, volume 22, n° 01, jan./jun. de 2002.
 CORRÊA, Roberto Lobato. Região e Organização Espacial. São Paulo: Ática,1986.
COSTA, Fábio Rodrigues da; ROCHA, Márcio Mendes. Geografia: Conceitos e paradigmas – apontamentos preliminares. Revista Geomae. V.1 N. 2, p 25-56, Jun-dez, 2010.
MORAES, A.C.R. Geografia: pequena história crítica, 20a ed. São Paulo, Annablume, 2005.

Leia também

Conceitos Geográficos: Espaço, Lugar, Território, Região e Paisagem

Afinal, o que é Fenomenologia?

As correntes do pensamento geográfico

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s